COMPARTILHAR
(Reprodução/Twitter/@CBF_Futebol)

Murilo Soares Teixeira, advogado especialista, formado em Direito pela Universidade Federal de Goiás – UFG, com atuação em Direito Desportivo, Empresarial, Contratos & Negócios. Autor do livro “A Isenção Tributária dos Clubes Brasileiros de Futebol”.

Vive-se, atualmente, grave momento de crise e pânico. O medo paira sobre toda a população. Ninguém sabe ao certo sobre o que se trata esta nova doença, conhecida como COVID-19, desencadeada pelo coronavírus (SARS-CoV-2). Buscam-se vários tipos de medidas e procedimentos assertivos; mas, verdade seja dita, ainda não se encontrara o “X” da questão.

Não há, ainda, uma solução científica para esta pandemia que se instaurou. E no futebol não poderia ser diferente. Toda esta tensão refletiu-se naturalmente. Seja nos atletas, dirigentes, ou profissionais que trabalham com o mundo da bola, todos estão alvoroçados. E não é para menos. São tempos de grande incerteza, principalmente, sobre o que nos espera o futuro, o amanhã.

Notória e obviamente, o futebol é uma paixão nacional. Faz parte da cultura brasileira. Além disto, o esporte é um direito social previsto constitucionalmente. Enfim, não se dúvida da importância do futebol e do esporte para a sociedade. Inobstante, não dá para o futebol concentrar em seu “microcosmo”, alheio a tudo o que está acontecendo, e se blindar do caos que a humanidade está passando.

Estamos falando de seres-humanos, não de robôs. São cidadãos, trabalhadores e empreendedores envolvidos com o futebol que têm seus valores, suas crenças, suas famílias, seus sentimentos, e mais, sua saúde para zelar. Além disto, obviamente, convivem em sociedade. Não dá para viverem em um mundo paralelo a tudo o que está acontecendo. Podem, aliás, serem vetores ou adoecerem por este nefasto vírus.

Especificamente no futebol goiano, a paralisação de todas as competições devido ao novo coronavírus está gerando grande tensão e repercussão. Tratam-se aí de importantes competições, econômica e desportivamente. Citam-se: Campeonato Goiano da 1° Divisão, com reflexo direto na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro Série D, Campeonatos de categoria de base, Campeonatos Goiano da Divisão de Acesso e da 3° Divisão. Bem como outras competições não profissionais, mas com significativa importância e relevância, como é o caso da Taça das Favelas, que envolve cerca de 2.000 jovens, somente em Goiás, sem contar os outros 12 Estados da Federação participantes.

Diante de todo este cenário, visualizam-se inúmeras opiniões e impressões sendo tecidas. Ocorre que tudo é ainda muito especulativo, inédito e desconhecido. Não há aquela resposta exata, categórica ou contundente. O atual cenário é: parar ou não as competições? Se sim, por quanto tempo? Suspendê-las ou cancelá-las? E aquelas que nem começaram: cancelar ou suspender? Além disso, e os contratos de trabalho por prazo determinado em vigência? Rescindir? Prorrogar? Férias coletivas?

Deve-se levar em consideração que muitos destes contratos são por prazo determinado de 3 a 4 meses. E logo logo os termos finais vão chegar. De outra sorte, num dado momento, começará a inadimplência, e então, serão cobradas as multas, os juros? Aliás, a sociedade já está sofrendo com os impactos da falta de recursos, da economia parada e da abusividade dos preços dos produtos. É complicado e prejudicial tomar qualquer decisão precipitada e no calor do momento. Mas é compreensível também a dificuldade de se ter uma postura racional neste período que estamos enfrentando. 

Diante de todo este cenário, chega-se à seguinte indagação: Qual a melhor opção a se fazer? A verdade é: NINGUÉM SABE! Estamos vivendo um cenário totalmente novo, desconhecido e de medo coletivo. E o pior, uma indefinição completa sobre o que virá e o que nos espera o futuro, aliás, se conseguiremos até sair desta. Mas pelo menos as pessoas já estão compreendendo a gravidade da situação. A crise é séria e real. 

Acredito, então, que em situações complicadas, desconhecidas, graves como esta, a saída é adotar o BOM SENSO, SABEDORIA e RAZOABILIDADE. Como seres humanos que somos e portadores de compaixão utilizar, sem economia, do Princípio Alteridade. Ver e enxergar com os olhos do outro. Pensar: E se eu estive naquela situação? E se eu fosse o presidente de um clube ou federação? Ou, e se eu fosse um atleta, um membro de comissão técnica? Independentemente do lado em que se esteja, que atitude resolutiva eu tomaria? É praticar, então, a máxima cristã: “Ame a teu próximo como a ti mesmo e não faça aos outros o que não quer que façam contigo”.

Neste momento, portanto, não há o certo ou o errado. O que devemos buscar é o equilíbrio. A ponderação. Repita-se, o BOM SENSO. Sistema “ganha-ganha”. Todos não sairão desta nem 100% vitoriosos nem 100% perdedores. Em verdade, devemos recordar lá da Biologia e adotar-se o mutualismo ou a simbiose. Unidos cresceremos e superaremos este momento difícil, insólito e, por ora, sem controle. Como diria Robert Alexy, mutatis mutandis, numa situação conflitante e de colisão de princípios, nada melhor do que adotar a técnica da ponderação ou do sopesamento.

Facebook Comments
COMPARTILHAR
Artigo AnteriorHá um ano sem gols, Uribe vê concorrência aumentar no Santos
Próximo ArtigoSão Paulo vende opção de compra de atacante de Cotia ao Barcelona
Jornalista formado pelas Faculdades Alfa, hoje conhecida como Centro Universitário UniAlfa. Além de escrever para o EsporteNet.Tv, narrei e comentei jogos de Futebol, Vôlei, Futebol Americano, Rugby, MMA, Taekwondo todos pelo EsporteNet.Tv. Trabalhei durante 3 anos no Diário do Manhã como repórter da categoria Online, e na metade do primeiro ano, divide as funções tanto no Online como na TV Web da empresa o DMTV. Isso fui um pouco do que eu fiz. Acredito que toda modalidade deva ter o seu espaço e foi por esta razão que me juntei ao projeto do EsporteNet.Tv, para abrir caminho e dar a visibilidade que outras modalidades esportivas merecem, assim como o futebol.