COMPARTILHAR

Uma máxima de Pep Guardiola sobre os campeonatos nacionais diz que o torneiro é “ganho nas últimas oito rodadas”. E foi exatamente isso que aconteceu com o Flamengo. Nas últimas oito partidas, foram cinco vitórias, um empate e uma derrota (sem contar o jogo contra o São Paulo, adicionar depois). Diferentemente das outras 30 rodadas, o Rubro-Negro atingiu a regularidade e conseguiu decolar rumo ao título.

Os primeiros 20 jogos foram sob o comando de Domenec Torrent. Na estreia, derrota no Maracanã por 1 a 0 para o então favorito Atlético-MG de Jorge Sampaoli. Depois, surpreendente derrota por 3 a 0 para o Atlético-GO. O treinador catalão já começava a ser questionado.

Na sequência vieram resultados positivos, como uma vitória contra o Santos por 1 a 0 na Vila Belmiro, goleada de 5 a 1 para cima do Corinthians em plena Neo Química Arena e empate por 1 a 1 com o Palmeiras com muitos jovens na equipe devido a um surto de covid no clube.

Porém, goleadas sofridas para o São Paulo (4 a 1) e Atlético-MG (4 a 0) culminaram na demissão de Domenec Torrent. Para substituí-lo, o Flamengo contratou Rogério Ceni. O técnico chegou valorizado pelo desempenho no Fortaleza, mas as eliminações na Copa do Brasil e na Libertadores logo colocaram em cheque seu trabalho.

Entre vitórias e derrotas, chegou o momento decisivo de acordo com Pep Guardiola, as últimas oito rodadas. seis vitórias, contra Grêmio, Sport, Vasco, Corinthians, Internacional (na grande “final”).  Na rodada derradeira, derrota para o São Paulo, mas o título foi garantido com o tropeço do Colorado diante do Corinthians.

E Gabigol mais uma vez brilhando. Foram seis gols nesta reta final. Anotou o tento que colocou o Flamengo na liderança, contra os colorados. O tamanho do atacante na história do Rubro-Negro ficou ainda maior.

Como disse Rogério Ceni em sua preleção antes da partida contra o Inter: “Vocês querem ficar marcados por um ano, ou uma era de títulos?”. Esse elenco agora fica marcado por um segundo ano de conquistas.