COMPARTILHAR

O São Paulo abriu seu último treino para a torcida antes da final do Campeonato Paulista contra o Palmeiras, em jogo que acontece neste domingo, no Allianz Parque, apenas com o lado de lá nas arquibancadas.

Mesmo estando na decisão, o caminho do Tricolor não foi fácil. Foram três partidas sem vencer em sequência no início do Estadual e somente depois é que o time comandado por Rogério Ceni começou a despontar.

“Acho que dois meses é um tempo curto para melhorar bastante, mas não havia outra possibilidade. Os primeiros jogos não conseguimos produzir gols, ser efetivos, mas essa melhoria faz com que esteja aqui conversando com vocês. É uma melhora rápida, poucas pessoas esperavam o São Paulo nesta final, não é demérito de ninguém pensar isso, mas pelo final do ano passado e início deste ano. É mérito dos atletas, que atenderam e trabalharam mais firme. É por eles que o São Paulo está aqui”, disse o treinador em coletiva de imprensa na manhã deste sábado, após as atividades abertas ao público.

Os primeiros jogos do São Paulo no Paulistão foram uma derrota por 2 a 1 para o Guarani na estreia, um empate sem gols diante do Ituano em casa e novo revés, mas para o Bragantino, por 4 a 3. Foi na quarta rodada que o time conquistou sua primeira vitória, um magro 1 a 0 diante do Santo André. A chave parece ter virado naquele momento, após uma forte fala do treinador – ele minimizou isso na própria coletiva.

Para Ceni, alguns pontos precisam ser levados em conta para essa melhora do São Paulo na competição: a competitividade, as vitórias conquistadas, a parte física e, por fim, o apoio da torcida.

“O início do Campeonato é muito claro, tempo curto de pré-temporada e covid. (Isso) Tem interferência direta. O fato de jogadores estarem chegando e não termos exata noção de como eles iriam jogar também. Teve melhora física, alguns ainda não conseguem manter, mas isso tentamos elevar. A competitividade colocada em campo no dia a dia é importante. As vitórias também trazem confiança, alegria, melhora o ambiente. Quando perde o jogo, os problemas são lembrados. É a vida dentro do futebol. O time chega bem muito pelo crescimento físico, entendimento da competitividade até o último minuto e por essa proximidade da torcida, que abraçou o time nos momentos difíceis e ajudou a levar o time até essa oportunidade (a final)”, finalizou.

O São Paulo visita o Palmeiras neste domingo, a partir das 16h (de Brasília), em busca de seu 23º título. Na ida, 3 a 1 em cima do rival dentro de casa, abrindo uma boa vantagem – pode perder por um gol de diferença. No treino, foram 21.792 são-paulinos para dar apoio ao time.

Marina Bufon