COMPARTILHAR

Neste sábado, o Palmeiras venceu a Juazeirense por 2 a 1, de virada, na Arena Barueri, na partida de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Após o jogo, Abel Ferreira concedeu entrevista e foi bastante direto ao abrir a coletiva.

“Cumprimos os serviços mínimos e obrigatórios, que era ganhar o jogo. Foi o que fizemos hoje”, disse o treinador.

Em seguida, Abel fez uma análise mais extensa do desempenho do Verdão na partida. O técnico falou sobre o aspecto do jogo que o time ficou devendo nesta noite.

“Meus jogadores tentaram, criaram. Para além dos dois gols, tivemos quatro oportunidades, 75% de posse de bola. Depois, temos que fazer gols. Faltou qualidade nas execuções no último terço, um pouco mais de aprimoramento. Mas, também, com o adversário fechado em cima da área, com dez jogadores mais o goleiro, deixando só o centroavante lá na frente… Um jogo difícil. Teríamos e deveríamos ter feito gol primeiro, mas não conseguimos”, disse o português.

Abel também comentou a fase vivida sobre Atuesta, que ainda não se encontrou no Palmeiras. O treinador lamentou a falta de paciência nas análises e deixou claro que também tem responsabilidade no desempenho do jogador.

“Vocês rotulam muito. Não dão tempo e espaço aos jogadores, não dão liberdade para eles crescerem. (…) Estamos falando de um jogador que acabou de chegar, é estrangeiro, tem qualidade. Sim, não está em seu melhor momento e forma, não gosto de esconder, mas não gosto de matar ninguém”, pontuou Abel.

“O Jailson se lesionou, e ele (Atuesta) está jogando nessa posição. De 5, temos dois jogadores: o Jailson e o Danilo. Temos o Menino que é 8, o Zé que é 8. Quando os jogadores jogam mal, a responsabilidade é minha. Porventura, não passei as instruções certas, a informação que lhe passei não foi a mais correta”, finalizou.

A partida de volta entre as duas equipes acontece no dia 11 de maio, no Estádio do Café, em Londrina, às 19h (horário de Brasília). O próximo compromisso do Palmeiras é válido pela Libertadores, contra o Independiente Petrolero, na Bolívia, às 21h30 da terça.

Pedro Nascimento