COMPARTILHAR

Um dos maiores tenistas da história da Espanha, Manuel Santana, mais conhecido como Manolo Santana, continua bastante ativo no esporte da bola amarela, mesmo que já esteja com seus 80 anos e aposentado há algumas décadas. Além de assistir os jogos, o ex-atleta acredita que seu país de origem tem condições de sediar um Grand Slam, algo que mudaria toda a estrutura atual da ATP.

“Sempre existe a possibilidade de isso acontecer. Nós temos dinheiros, instalações de altíssimo nível e jogadores nas primeiras posições do ranking, então por que não poderíamos fazê-lo? Seria algo extraordinário. A verdade é que o tênis de hoje não tem nada a ver com o de 10 anos atrás, mas o que é importa é se manter a qualidade da competição, o espectador e o tenista muito unidos. Todos querem ver um tênis bonito, tenho certeza disso”, destacou Santana em entrevista ao jornal Marca.

No momento, apenas quatro países têm o privilégio de sediar um torneio Grand Slam: Australia (Australian Open), França (Roland Garros), Inglaterra (Wimbledon) e Estados Unidos (US Open). Além de serem as competições mais desejadas pelos principais tenistas profissionais, são as que dão os maiores valores em premiações e que possuem complexos gigantescos, luxuosos e que comportam dezenas de milhares de fãs de tênis.

Apesar de já estar aposentado há um bom tempo, Manolo Santana está na história do tênis espanhol. O ex-atleta ganhou quatro títulos de Majors na carreira, ainda na Era Aberta do Tênis (antes de 1968), e se tornou um ícone espanhol, sendo considerado por muitos o melhor tenista do país.

Isso mudou apenas há alguns anos, quando Rafael Nadal apareceu no circuito mundial e “chocou” o mundo com seu talento e sua mentalidade vencedora. Batendo recordes desde o começo da carreira, o Touro Miúra se tornou um dos maiores da história, rivalizando com Roger Federer, sem tirar o brilho e as conquistas de Manuel Santana.

Facebook Comments